Pesquisa jornalistas UFSC

Nós, jornalistas: quem somos, quantos somos e o que fazemos

Com a presença de cinco das seis entidades apoiadoras, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) lançou na segunda-feira, 16, em ato virtual, o questionário da Pesquisa Nacional do Perfil do Jornalista Brasileiro 2021. Agora, o questionário está no ar: responda!

Da Redação

Com 67 perguntas que podem ser respondidas em cerca de dez minutos, a Pesquisa Nacional do Perfil do Jornalista Brasileiro 2021 vai atualizar os dados recolhidos em pesquisa similar realizada em 2012. O questionário já está disponível online desde segunda-feira, 16, quando o coordenador nacional da pesquisa, professor Samuel Lima, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), apresentou os objetivos da pesquisa e conduziu uma conversa virtual com representantes de entidades apoiadoras sobre a importância da iniciativa.

Samuel Lima lembrou alguns dados obtidos na pesquisa anterior que ensejam novas perguntas. Por exemplo: em 2012, as mulheres eram praticamente dois terços dos profissionais de jornalismo (64%). A tendência, segundo Lima, é que este percentual tenha crescido desde então.

Naquele ano, éramos 145 mil profissionais. Quantos seremos hoje? Segundo levantamento prévio feito pelos pesquisadores envolvidos no trabalho, este número apresentou leve queda, para 142 mil jornalistas. O que houve? Há um grande contingente de desempregados e/ou frilas? Como estão vivendo os colegas nessas condições?

Democracia e conteúdo online

No evento, que discutiu a relevância desse tipo de estudo para a defesa e o fortalecimento do jornalismo e da profissão, o presidente da Associação Profissão Jornalista (APJor), Fred Ghedini, lembrou o quanto é importante que se fortaleça a unidade de ação entre todas as organizações dos jornalistas e dos próprios profissionais para tratar de seus interesses comuns, o que inclui a defesa e o fortalecimento da democracia em nosso país.

Seis dessas organizações apoiaram a pesquisa e cinco delas participaram do ato virtual: a própria APJor, a Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ), vinculada à Associação Nacional dos Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor), que também estava lá; a Associação Brasileira do Ensino de Jornalismo (ABEJ); a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji); e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj). A Associação Brasileira de Imprensa (ABI), que também apoia a iniciativa, não enviou representante ao evento.

Citando apenas um dos problemas a enfrentar, Ghedini lembrou que as grandes plataformas digitais auferem lucros a partir do conteúdo jornalístico que circula na internet, sem que as empresas de mídia e/ou os profissionais tenham qualquer participação nisso. Por isso mesmo, uma das atividades da APJor é participar do movimento Conteúdo Jornalístico tem Valor.

Nova pesquisa

O projeto envolve pesquisadores voluntários de todas as regiões brasileiras e é realizado com o apoio deles, quase todos jornalistas, e da RETIJ. Quantos somos, quem somos, como são nossas relações de trabalho e condições de saúde, em que acreditamos – esses são alguns dos pontos abordados junto a trabalhadores da mídia (ou fora da mídia) e da docência em Jornalismo.

Para saber mais

Para responder a pesquisa

Questionário é lançado nesta segunda-feira

APJor

APJor

A Associação Profissão Jornalista – APJor é uma organização nascida do Movimento Jornalistas Pró-Conselho, criada na assembleia de 22 de outubro de 2016, na Câmara Municipal de São Paulo, com a presença de 40 jornalistas.

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *