seminario interno apjor 2020

Queremos um Conselho!

Apesar do consenso de que precisamos de um conselho de jornalismo no Brasil, mesmo entre os associados da APJor há diferentes posições sobre o formato e a forma de atuação dessa instituição. “Tudo o mais está em debate”, destaca o Relatório Final do Seminário Interno da APJor 2020. Veja a íntegra do documento

Por Celso Bacarji

A APJor disponibiliza aqui o Relatório Final do Seminário Interno da APJor, realizado em dezembro de 2020 com o objetivo definir as estratégias da Associação para o biênio 21/22. O documento foi fruto de um exaustivo trabalho da equipe de relatores e da coordenadora do grupo, Leda Beck, que fez a sua redação final. Mas valeu o esforço. Estão registrados nele não apenas as propostas de atuação da entidade para os próximos dois anos mas também um retrato realista da luta por um conselho de jornalismo no Brasil de hoje.

Não é um cenário otimista, embora não seja desmotivador. Poucos estão falando em conselho de jornalismo hoje no País. Poucas entidades, poucas lideranças, raríssimos políticos, embora estejamos vivendo uma crise sem precedentes na atividade jornalística nacional. Ainda assim, é motivador que um grupo de mais de 50 jornalistas esteja se mobilizando para levar essa luta adiante, com recursos próprios, contando apenas com aquilo que cada um é capaz de oferecer.

Também não é uma luta fácil. Como destaca Leda Beck, no relatório, apesar do consenso sobre a necessidade de um conselho “tudo mais está em debate”. O seminário mostrou que “há diferentes posições até sobre o formato da instituição desejada, suas funções, sua abrangência social ou sua autoridade”. Mesmo o papel que a APJor deve desempenhar nesse processo é tema para o debate.

Na primeira parte do seminário, o presidente da APJor, Fred Ghedini, historiou a luta da categoria sobre o conselho, discorreu sobre as funções do jornalismo na sociedade e propôs um método para atuação da APJor. Na segunda parte, Dal Marcondes, conselheiro da Associação, falando sobre o papel da entidade, propôs que a APJor seja um think tank, um laboratório de ideias e reflexões, que estude a profissão, o profissional e o que seria um conselho, seus objetivos e sua forma de atuação.

O relatório conclui apresentando duas propostas básicas de ações para a APJor, que emergiram do seminário, em consonância com a sua própria definição, como uma organização de inteligência e de articulação: produzir e difundir conhecimento capaz de promover um jornalismo ético e plural e articular-se com as entidades de jornalistas e com os segmentos da sociedade civil preocupados com a qualidade do jornalismo. Veja a íntegra do documento no link abaixo. Boa leitura.

* Celso Bacarji é jornalista e editor do site APJor

Relatorio Final do Seminário Interno APJor 2020

APJor

APJor

A Associação Profissão Jornalista – APJor é uma organização nascida do Movimento Jornalistas Pró-Conselho, criada na assembleia de 22 de outubro de 2016, na Câmara Municipal de São Paulo, com a presença de 40 jornalistas.

2 respostas

  1. Publicamos em nosso site matérias importantes sobre um dos temas mais candentes no jornalismo brasileiro que é o assédio judicial, muitas vezes dos próprios operadores do Judiciário (juízes, desembargadores e até ministros dos tribunais superiores) contra jornalistas que apenas cumprem seu dever ao revelar fatos de interesse público. Contudo, para os objetivos da APJor, o relatório que está publicado aqui sobre o segundo Seminário Interno da Associação, realizado em cinco de dezembro de 2020, é certamente aquela que melhor traduz os objetivos da entidades. E o título, dado pelo colega que edita o site, Celso Bacarji, é preciso em sua forma sintética: Queremos um conselho! No entender dos associados da APJor, um conselho que cuide do jornalismo e que fortaleça institucionalmente os jornalistas brasileiros é algo fundamental para nossa democracia, frágil como provam os ataques de juízes à profissão e principalmente do presidente e sua trupe. Ainda não está definido o formato: se uma ordem, colégio, conselho autárquico ou conselho de jornalismo, com a participação de diferentes segmentos da sociedade. Tal conselho só poderá existir se for parte de uma construção social, resultado de um debate aberto entre os jornalistas e na sociedade. É isso que propomos àqueles que se interessam por um jornalismo ético e plural, uma das bases de uma sociedade democrática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *